img imprensa1

InRad sedia curso para futuros empreendedores do HC

InRad sedia curso para futuros empreendedores do HC

No final do mês de junho, teve início a III Turma de Startup do HCFMUSP. Nessa turma estão reunidos grupos dos Institutos da Criança (ICr), do Coração (INcOr), Central (ICHC), de Psiquiatria (IPq) e do Serviço de Onco-Hematologia do Instituto da Criança (ICr) – o ITACI (Instituto de Tratamento do Câncer Infantil). Ao todo, serão 8 encontros no Coworking do Instituto de Radiologia (InRad) e nas aulas serão tratados os seguintes tópicos: Mudança de Cultura; Proposição de Valor; Segmentos de Clientes; Canais de Distribuição; Relacionamentos com Clientes; Fontes de Receita; Parcerias; Recursos e Atividades Principais; Custos e Métricas para Gestão de Startups.

Centro de Pesquisa Clínica do IMREA apresenta novo equipamento de robótica para membros superiores

Centro de Pesquisa Clinica do IMREA

O Centro de Pesquisa Clínica (CPC) do Instituto de Medicina Física e Reabilitação (IMREA), coordenado pelo médico Prof. Dr. Marcel Simis, apresentou no mês de maio um novo equipamento de robótica, que possibilita movimentos tridimensionais dos membros superiores. Produção 100% nacional, o Vivax foi idealizado pelo engenheiro brasileiro Antonio Massato Makiyama, com financiamento pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp).

O equipamento possibilita uma amplitude do movimento do braço até então não alcançada em nenhuma tecnologia existente no mundo, ao permitir movimentos mais realistas e próximos às atividades cotidianas dos pacientes. Entre as vantagens da nova tecnologia está o fato de o aparelho ser portátil e pesar apenas 15 quilos, cerca de 7 vezes mais leve do que os robôs disponíveis no mercado, possibilitando, inclusive, que a pessoa o utilize em casa. O aparelho passa por testes clínicos no IMREA Vila Mariana, sob supervisão da pesquisadora do CPC e terapeuta ocupacional Thais Terranova.

Além de ser mais vantajoso no peso, o Vivax apresenta um custo significativamente inferior a um equipamento similar no mercado e permite maior feedback auditivo e visual ao disponibilizargames mais atrativos. A novidade é voltada para vítimas de Acidente Vascular Cerebral (AVC), pessoas com paralisia cerebral, lesão encefálica, lesão medular, traumatismo craniano e doenças degenerativas. É dos poucos robôs que permite exercícios contra a gravidade e utilização de um número maior de cadeias musculares simultaneamente, exigindo um esforço maior do cérebro e resultando em avanços na reabilitação.

Momento singular na Medicina mundial: ICr faz transplantes hepáticos em três irmãs

ICr faz transplantes hepaticos em tres irmas

Caso excepcional na Medicina mundial, três transplantes de fígado resgataram a saúde de três irmãs: Lindalva, 15 anos; Juliana, 12 anos e Priscila, 10 anos. Pacientes do ICr - Instituto da Criança e do Adolescente do HCFMUSP, elas receberam novos órgãos em cirurgias realizadas entre 2010 e maio deste ano.

As meninas sofriam de doença hereditária (colestase intra-hepática familiar progressiva), que se manifesta na infância, afetando a secreção biliar. Os três transplantes foram realizados pela equipe do Chefe do Serviço de Cirurgia Pediátrica e Transplante Hepático do ICr, Prof. Dr. Uenis Tannuri.

“É uma alegria ver uma família recuperada. Se não fossem os transplantes, elas não teriam sobrevivido” – diz o Professor, que é Titular da Disciplina de Cirurgia Pediátrica e Transplante Hepático da Faculdade de Medicina da USP.

O ICr é pioneiro em transplantes de fígado em crianças e adolescentes. Iniciado em 1989, esse procedimento registra, atualmente, a média anual de 45 cirurgias. Está perto de completar 800 transplantes hepáticos. “A sociedade, de modo geral, não imagina o quanto há de empenho e dedicação de todos na Instituição” – diz o Professor Uenis Tannuri.

Não há, na literatura médica, registro anterior de transplante de fígado em três irmãs com o mesmo diagnóstico de doença hereditária. Elas receberam órgãos de doadores cadavéricos. Como acontece nessas cirurgias de grande complexidade, houve algumas complicações pós-operatórias, mas todas elas revertidas.

Lindalva recebeu o fígado novo em 2010. Estava com oito anos. Depois, em 2016, foi a vez de Juliana, hoje com 12 anos de idade. A terceira irmã, Priscila, atualmente com 10 anos, foi submetida ao transplante em maio deste ano. Ao lado dos pais, Ninivalda e Joelsom, elas seguem a disciplina de medicamentos para transplantados e dieta especial. É uma nova vida oferecida pela avançada Medicina.

Prefeitura entrega ao IMREA Selo de Acessibilidade

prefeitura entrega ao IMREA selo acessibilidadeO IMREA – Instituto de Medicina Física e Reabilitação, Unidade Vila Mariana, foi contemplado com o Selo de Acessibilidade da Comissão Permanente de Acessibilidade e da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED).

Este Selo atesta que a edificação atende totalmente as normas dedicadas à acessibilidade das pessoas com deficiência. “Esse selo não é fácil de conseguir, mas esse prédio é uma referência em acessibilidade; foi concebido para ser inteiramente acessível”, garantiu Sr. Cid Torquato, Secretário Municipal da Pessoa com Deficiência.

A homenagem foi recebida pela Diretora Executiva do IMREA, Dra. Margarida Miyazaki, e pelo Engenheiro Marcelo Setti. “Para nós é uma honra ter esse reconhecimento. Todo o processo de reabilitação é voltado para que o paciente consiga atingir os melhores resultados, e um ambiente adequado contribui muito para atingir esta meta”, completou a Diretora.

Também estiveram presentes a presidente da Comissão Permanente de Acessibilidade, Sra. Silvana Cambiaghi, e diretores do IMREA.

CSS Internas